Posts

Um príncipe em Cubatão

visita-do-principe-harry-a-cubatao-8110.jpg

O mais novo casado da praça, Henry Charles Albert David, membro da Monarquia Britânica, tem uma passagem em Cubatão. Precisamente no dia 25/06/2014, o príncipe esteve na cidade visitando projetos socioambientais na região das Cotas, na Serra do Mar.

A rápida visita, de mais ou menos meia hora, rende até hoje. A praça no alto da serra onde esteve o atual sexto membro da linha sucessória do Reino Unido ganhou o nome oficial de Mirante do Príncipe e desde então é um dos pontos turísticos mais procurados de Cubatão.

Abaixo, press release escrito por mim na ocasião da visita, divulgado pela assessoria de imprensa da Prefeitura de Cubatão. Fotos de José Mario Alves.

(curiosidade: neste dia, cobri o evento por telefone. O cerimonial que acompanhava Harry era muito rigoroso e não permitiu a subida de muitos membros da imprensa. Preferimos deixar o fotógrafo acompanhar o evento. Enquanto isso, eu colhia as informações pelo celular… Em Santos, pois também cobria a visita oficial da então presidente Dilma Rousseff, que anunciava investimentos federais nas cidades da Baixada Santista. Dia tumultuadíssimo foi aquele).

 

PRÍNCIPE HARRY VISITA CUBATÃO E CONHECE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS NA COTA 200

Quarto na linha sucessória do trono do Reino Unido foi recebido pelo prefeito Wagner Moura e visitou programa Serra do Mar

O Príncipe Henry Charles Albert David, conhecido como Príncipe Harry de Gales, quarto na linha sucessória do Trono Britânico, esteve na manhã desta quarta-feira (25) em Cubatão. Ele foi recebido pelo prefeito Wagner Moura na Cota 200, onde visitou o Programa de Recuperação Ambiental da Serra do Mar.

O membro da família real do Reino Unido está visitando o Brasil para acompanhar jogos da Copa do Mundo e conhecer importantes projetos sociais desenvolvidos no País. Premiado internacionalmente e reconhecido pela Organização das Nações Unidas, o Programa Serra do Mar tem mudado a vida de milhares de pessoas na Cidade. Parceria entre várias esferas de governo, a iniciativa inclui ações sociais, ambientais e habitacionais, dando moradia digna a milhares de pessoas e recuperando a mata atlântica nas áreas de preservação ambiental.

Harry pintou um muro de uma das casas da região com a já tradicional decoração multicolorida do núcleo habitacional, provou da culinária local e plantou uma muda de manacá-da-serra, uma das plantas nativas da Serra do Mar. O príncipe recebeu das mãos do prefeito de Cubatão lembranças da Cidade e um exemplar da Agenda 21 local, documento elaborado em 2005 que é referência mundial em planejamento municipal com desenvolvimento sustentável, com um conjunto de metas e projetos para a construção da “cidade que queremos” até o ano de 2020.

“É uma alegria e uma honra receber um membro da família real britânica em nossa cidade, que fez questão de conhecer o trabalho de recuperação ambiental que fez de Cubatão um exemplo mundial”, afirmou o chefe do Executivo municipal.

 

Texto: Allan Nóbrega – MTb 52.208-SP

Anúncios
Posts

Quando a política fala mais alto

Eclair argumenta com manifestantes. Foto: Allan Nóbrega

Decepção. Esta é a palavra que define o que aconteceu nesta quarta-feira (31) no Bloco Cultural. Um evento – que até agora está sem definição, mas que com certeza não pode ser chamado de audiência pública – promovido pelo Governo do Estado para apresentar o famigerado e polêmico Programa de Recuperação Socioambiental da Serra do Mar, gerou protestos, bagunça e factóides políticos, menos o principal: esclarecer aos moradores das Cotas presentes os objetivos e o funcionamento do projeto.

Desde a véspera, já se sabia que os ânimos estariam agitados e a disputa política estaria armada. Por ordem de membros do Palácio dos Bandeirantes, o diretório municipal do PSDB se reuniu na terça-feira à tarde para traçar estratégias de defesa do programa durante o evento do dia seguinte. Por outro lado, o diretório municipal do PT também se movimentou e elaborou um manifesto público, que foi entregue durante a reunião no Bloco.

Quando o atual coordenador do programa, o polêmico coronel da Polícia Militar Elizeu Eclair Teixeira Borges, chegou ao recinto, o sinal verde estava dado. Dezenas de manifestantes trajando camisetas exigindo uma audiência pública sobre o projeto desenrolaram suas faixas e começaram a bradar para as equipes de TV que cobriam o evento. Eclair, já acostumado a protestos e caras feias, mal se importou e continuou a falar com a imprensa. Disse que não via movimentação política nos protestos e disse que considerava normal a situação. Quem não tinha o mesmo treinamento militar chegou a se assustar.

O estopim final foi a contratação de um mediador independente, que fez questão de dizer que não tinha ligações com o Governo do Estado e que tinha sido chamado apenas para o evento. Melhor que não fosse. Rígido e por vezes falando alto demais, tentou em vão combater cada grito e questionamento dos manifestantes. Ao dizer que não formaria uma mesa e que as autoridades responderiam aos questionamentos da plateia e poucos minutos depois fazer exatamente o contrário, a bomba estourou.

Gritaria, protestos, escândalo, perplexidade. Os manifestantes, que dizem representar as partes envolvidas, misturando moradores das Cotas com habitantes do Jardim Casqueiro, bradaram e ensaiaram uma retirada, dizendo que não teriam espaço no evento.

Tentando consertar a situação, mais de 90 minutos depois do início da reunião, o mediador chamou as autoridades municipais, sem antes dizer, desastrosamente, que não havia representantes do município presentes. Os manifestantes ficaram e grande parte deles prostrou-se no palco, atrás dos representantes estaduais.

A partir daí, nove em cada dez pessoas da sociedade pré-inscritas para falar e/ou fazer perguntas acabou criticando severamente a postura do Governo do Estado e o programa. Muitos integrantes do movimento protestante. Outros, reconhecidos líderes partidários, tanto do PSDB quanto do PT. Eclair mantia-se impávido, tentando argumentar a cada reclamação, muitas vezes sem sucesso, frente ao barulho provocado pelos que manifestavam. E assim foi até o início da noite.

Acesse duas versões sobre o programa: uma do Governo do Estado e outra da Prefeitura de Cubatão.

Caixa com faixas dos protestantes esquecida atrás do palco do Bloco. Foto: Allan NóbregaFalta menos de um ano para as eleições de 2010, que dividirá grande parte dos eleitores em duas frentes: a tucana e a petista. Do lado do Governo de José Serra, o projeto de recuperação da Serra do Mar pode ser a sua grande vitrine política para o pleito presidencial. Para o lado vermelho, é complicado abrir espaço para o grande projeto tucano, do qual será apenas coadjuvante e não terá participação.

Aliado à truculência e falta de diálogo, o palco para um triste espetáculo está armado. E o próximo round desta luta já está marcado: dia 14, às 18h30, na Capela Nossa Senhora Aparecida (Rua 7, 351, Pinhal do Miranda). Que o espírito conciliador e de bom senso do falecido Rubens Lara impere e que os mais afetados no meio deste furacão, os moradores de Cubatão, saiam ganhando.