Posts

O nosso professor

Tomo a liberdade de publicar um artigo que escrevi originalmente para o Jornal da Cidade. No jornalismo, temos a oportunidade de vivenciar muitas coisas, mas algumas vezes passamos por momentos que nos marcam por toda a vida.

Para mim, foi marcante a entrevista com o professor José Fabiano Madeira, o Professor Madeira. Um símbolo de humildade e determinação que merece todas as homenagens possíveis. Abaixo, as minhas reverências a ele.

___________________________________________________________

Professor Madeira

Um doutor na arte da educação

Quem chega à sede da Secretaria de Educação no Paço Municipal e vê um simpático senhor atendendo as pessoas em uma singela salinha próxima à gerência da Secretaria pode não reconhecer, mas está diante de uma referência nacional em educação – José Fabiano Madeira, mas conhecido por todos como Professor Madeira.

Nascido em Nova Lima/MG, em 20 de fevereiro de 1940, sua avó Maria Liberata foi a primeira parteira diplomada da Cidade. Por meio de suas mãos, vieram ao mundo filhos das tradicionais famílias cubatenses Couto, Torres, Terras, Cunha, da Guarda e Ruivo.

Cursou o primário na escola estadual Júlio Conceição e o secundário no Afonso Schmidt. Com muita determinação, conseguiu feitos impressionantes. Formado pela Academia da Força Aérea, foi piloto de aeronaves. Como se não bastasse, graduou-se em outros sete cursos da Universidade de São Paulo. Vamos à lista: Biologia, Geografia, História, Pedagogia, Filosofia, Teologia e Engenharia.

Isso sem falar no doutorado em Citologia (o estudo das células) e com passagens pela Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, onde morou por algum tempo.

Professor de Geografia da Rede Municipal de Ensino, onde lecionou por muitos anos, Madeira foi convidado em 2006 pela Secretaria de Educação para cuidar da vinda para Cubatão da Escola Técnica Estadual do Centro Paula Souza.

Desde 2007, professor Madeira está empenhado no que considera ser a missão de sua vida – a vinda para a Cidade de um campus da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, a Poli-USP.

Quando fala desta luta, o professor se emociona e chega às lágrimas. “Este é o meu maior desejo. Quero que os jovens da minha cidade tenham a mesma oportunidade que tive de estudar e crescer na vida. Estamos diante de uma chance histórica para Cubatão e não podemos desperdiçá-la por interesses pessoais”.

Quando o assunto é educação, o biólogo, geólogo, historiador, pedagogo, filósofo, teólogo, engenheiro e piloto da Aeronáutica é enfático. “Durante muito tempo, temi ser um Dom Quixote, lutando contra os moinhos de vento. Felizmente, a classe política da Cidade percebeu a importância de uma universidade pública no município. Agora, é superar pequenos entraves burocráticos para dar à população cubatense a chance de mudar a sua história. Que os detentores do poder em Cubatão deixem de olhar apenas para seus umbigos e olhem pela janela. Pensem nos jovens deste lugar e façam a coisa certa”.

Ex-candidato a prefeito e a vereador, ele diz agora apenas querer se candidatar a único cargo na vida: “Quero apenas me candidatar a uma vaga no coração das pessoas”.

Professor, com certeza, esta eleição é garantida.

Publicidade