Retratos da Cidade – parte 3

30/12/2008

Veja a imagem abaixo:

Arquivo Municipal / imagem retirada do site Novo Milênio

Crédito: Arquivo Municipal / imagem retirada do site Novo Milênio (www.novomilenio.inf.br)

Ela mostra o anfiteatro do Parque Anilinas, no Centro de Cubatão, à época da reinauguração do local, em 1985, que passou a se chamar Cidade da Criança.

Quem tem mais de 20 anos e mora na Baixada Santista se lembra com carinho do local que foi o cenário de alegres tardes de domingo para muitas crianças.

Além das dezenas de brinquedos e atrações (como se esquecer do Castelinho, do Foguete ou das carpas que povoavam os lagos artificiais na entrada do parque?) o anfiteatro da Cidade da Criança era sempre palco de algum evento. Muitas peças de teatro, concursos entre escolas e solenidades municipais foram realizadas no local, que por isso mesmo recebia gente de toda a Região.

Pois bem, hoje a situação é bem diferente e a enferrujada e abandonada estrutura nem de longe lembra o bom e velho prédio. Para conseguir imagens do anfiteatro, tive que colocar a máquina fotográfica entre os tijolos da estrutura que sobrou, já que as portas do local estão trancadas e o acesso é proibido.

A razão do impedimento ao acesso talvez seja bem simples: vergonha, pois as imagens abaixo são realmente tristes.

logo_retratos

Anfiteatro da Cidade da Criança – Centro

121208_retratosdacidade-048-ok

121208_retratosdacidade-058-ok

121208_retratosdacidade-054-ok

Não é preciso dizer muita coisa, pois as fotos mostram tudo. O telhado foi removido por completo, deixando a estrutura a céu aberto. As paredes estão cheias de infiltrações e com a pintura removida.

O lodo cobre o palco e até um pedaço de andaime pode ser visto. Tudo indica que o anfiteatro iria começar a passar por uma reforma, que sabe-se lá por qual motivo não foi iniciada.

Não vou falar do resto da outrora Cidade da Criança pois haja texto para descrever o abandono do parque. Em síntese, o mato alto predomina e a estrutura que já abrigou centenas de pessoas aos finais de semana está abandonada.

Apenas sobrevivem ao descaso a coordenadoria, que não por acaso abriga serviços da Prefeitura de Cubatão, e a capela de São Lázaro, obra de abnegados servidores e voluntários que mantém o local apto a receber visitantes. Além disso, há algumas capivaras, que andam livres pelo parque. Uma viva lembrança do mini jardim zoólogico que havia no equipamento antes de ser sucateado pelas últimas gestões municipais.

Convido a quem mora em Cubatão que veja pessoalmente o estado de abandono do Parque Anilinas. Isto é, se alguém conseguir fazer isso, já que o local está fechado há alguns dias.

Quem mais sofre com todo esse descaso são as milhares de crianças e jovens cubatenses, carentes de opções de lazer. E não é por falta de reclamações que a antiga Cidade da Criança está assim, pois até abaixo-assinados já foram feitos pedindo reformas na estrutura.

Infelizmente, em Cubatão, um domingo no parque – assim como o programa homônimo apresentado por Silvio Santos – é coisa do passado.

Engana-se quem pensa que a lista de descaso em Cubatão acabou por aqui. Em 2009, novos retratos da Cidade serão publicados por aqui. Por enquanto, um ano novo com muita esperança e menos impunidade!

Anúncios

O tamanho da encrenca

19/12/2008

Os que acompanham este blog já devem ter uma noção do estado de abandono no qual se encontra a cidade onde moro, Cubatão.

Pois bem, na última quarta-feira (17), a prefeita eleita em outubro, Marcia Rosa (PT), apresentou em um evento na Associação Comercial Cubatense um balanço do que sua comissão de transição pode apurar sobre a situação em que se encontra o Município e a Administração Municipal. O cenário não poderia ser mais caótico.

A equipe detectou dezenas, para não dizer centenas, de pontos negativos na gestão Clermont Castor (PR). Só para se ter uma idéia, eis os principais problemas:

DESVIO DE FUNÇÕES
FALTA DE CONSERVAÇÃO DE PRÉDIOS E EQUIPAMENTOS PÚBLICOS
CONTRATOS A VENCER EM 2009 (empresas como Terracom, Sabesp, Pró-Saúde, Marvin, Cestas Roca, A Tribuna e CAAT)
ALTO NÚMERO DE PROCESSOS ADMINISTRATIVOS E DÍVIDAS A PAGAR

Prefeita eleita Marcia Rosa (PT) e vice-prefeito eleito Arlindo Fagundes (PSB), durante a coletiva

Prefeita eleita Marcia Rosa (PT) e vice-prefeito eleito Arlindo Fagundes (PSB), durante a entrevista coletiva (foto: Allan Nóbrega)

A prefeita eleita comentou, durante entrevista coletiva antes do evento, que “muitos detalhes ainda são um mistério e só será possível saber a real situação da Prefeitura quando assumir o cargo em janeiro”.

Marcia Rosa demonstrou preocupação com o quadro atual da Prefeitura e com a crise econômica cada vez mais presente no nosso dia a dia.  Ela adiantou que fará mudanças administrativas (extinção de secretarias e criação de outras) e procurará manter parcerias com os governos do Estado e Federal para tentar contornar os problemas de caixa.

Sobre o secretariado, mistério. Mas alguns nomes bastante cotados para assumirem secretarias estiveram presentes, como Marcio Calves e Marilda Canelas. É aguardar para ver.

Na minha opinião, foi um tapa com luva de pelica no atual prefeito. Realmente, a prefeitura de Cubatão está à beira do caos e Marcia Rosa, quando vereadora, foi uma das mais ferrenhas opositoras a Clermont, fator que inclusive foi decisivo na vitória da petista.

Mas a partir de primeiro de janeiro, a pedra vira vidraça e aí o bicho pega. Como Marcia disse para mim ao acompanhar a divulgação do relatório – em tom de brincadeira, é verdade, mas com um leve fundo de verdade – “estou ferrada”.

______________________________________________________

Quem quiser saber mais detalhes sobre o que foi apurado pela equipe de transição, disponibilizo a apresentação do resumo do relatório final em Power Point, cedido gentilmente pela assessoria da prefeita eleita. Leia e tire suas próprias conclusões.


Retratos da Cidade – parte 2

16/12/2008

Neste post, a situação em que se encontra a Praça Portugal, um dos símbolos de Cubatão, e dois veículos abandonados no estacionamento de uma das principais delegacias da Cidade.

Antes, no entanto, quero agradecer as manifestações e o apoio de vários colegas. Se tem uma coisa que honro como jornalista é não ficar calado frente às injustiças e à impunidade.

Cubatão tem um papel fundamental na vida econômica do Brasil e é o lar de mais de 120 mil pessoas, que não merecem viver em uma cidade mal cuidada, um elefante branco que poderia ser uma potência do turismo ecológico e de negócios.

Infelizmente, falta vontade política de nossos governantes. É torcer para que os próximos quatro anos sejam melhores, pois pior do que está não pode ficar.

logo_retratos

Praça Portugal – Centro

121208_retratosdacidade-024Para quem está na Avenida Nove de Abril e vê a imponente estátua de Camões, a praça até parece que está bem cuidada. Mas quem vem da Prefeitura se depara com um local que parece que foi abandonado pelo poder público.

O que espanta é que é nesse logradouro que está instalada a Companhia Cubatense de Urbanização e Saneamento (Cursan), uma das principais autarquias municipais, responsáveis, vejam, por serviços de reparo e manutenção de equipamentos públicos.

O local que recebeu autoridades portuguesas no dia de sua inauguração e que buscava reproduzir a cidade lusitana de Aveiro hoje parece um campo de futebol, pois o mato alto entre os ladrilhos não é cortado há tempos.

A região também virou ponto de encontro de moradores de rua, que fizeram do trecho um dormitório à noite.
Lembre-se: tudo isso acontece ao lado da sede da Cursan, que fica atrás das pinturas que aparecem na imagem acima.

121208_retratosdacidade-028-ok121208_retratosdacidade-026Também há postes que tiveram sua fiação cortada e que ainda não foram repostos. Isso contribui com a falta de iluminação da praça à noite, o que representa um perigo para quem passa ali, principalmente estudantes do Senai e da escola Afonso Schmidt.

Para completar, uma das saídas da Cursan, que justamente dava acesso à parte abandonada da Praça Portugal, foi fechada com toras de madeira, que por sinal estão apodrecendo (segunda foto acima).

Fui até o site da Cursan para procurar alguma foto a fim de comparar com real situação do local que a abriga. Mas a página eletrônica não tem imagens, nem é atualizada há mais de um ano. Pelo jeito, não é só a Praça Portugal que foi esquecida…

__________________________________________________________

Delegacia Sede / 1º DP de Cubatão – Sítio Cafezal

Nestas minhas andanças pela Cidade, tenho visto muita coisa. Mas a situação a seguir me deixou, no mínimo, impressionado. Dois montes de ferrugem que já foram veículos estão “estacionados” na sede do 1º Distrito Policial de Cubatão, no Sítio Cafezal (próximo ao Cemitério Municipal).

121208_retratosdacidade-034-okO primeiro parece ser um Chevette preto, pintado como viatura de polícia, a serviço do Departamento de Policia Judiciária do Interior (Deinter). O veículo não tem placas, mas possui a identificação 3º DP de Cubatão – 10067. Apenas duas portas ainda se mantêm presas ao carro e todos os pneus estão murchos. A ferrugem já comeu uma boa parte da lataria e toda a estrutura está coberta por limo e folhas secas.

121208_retratosdacidade-031-okJá o outro automóvel está em pior situação. O Diplomata branco que hoje é um reservatório de ferrugem e sujeira já transportou pacientes e internos da Casa da Esperança de Cubatão, reconhecida entidade que cuida de crianças portadoras de necessidades especiais.
Um logotipo do Rotary Club de Cubatão na lataria indica que o carro foi doado por esta organização.

O veículo ainda está com placa, mas ela está ilegível e retorcida. Os bancos foram removidos e deixados no interior do carro. Apenas está intacta a sirene, que por diversas vezes deve ter tocado nas ruas cubatenses, anunciando a nobre missão deste veículo.

O motivo que faz com que as duas viaturas estejam repousando em paz em uma delegacia é um mistério, afinal o que não falta em Cubatão são depósitos de ferro-velho. Talvez estejam fazendo o papel de monumentos, que muito bem representam a situação da segurança e da saúde em nosso País.

No próximo post, o abandono em que se encontra o anfiteatro do Parque Anilinas, local que já recebeu concertos de orquestras e inúmeros eventos culturais, mas que hoje nem ao longe lembra os seus anos de glória.


Retratos da Cidade

12/12/2008

Nos últimos dois anos, praticamente vivi mais em outras cidades que no local onde resido, Cubatão. Nesse período, como jornalista, pude acompanhar a guinada que a Baixada Santista apresentou em diversos aspectos.

Santos é o melhor exemplo. Vias bem cuidadas, capricho nas obras públicas e respeito pelo cidadão. Claro que existem problemas, mas eles são mínimos perto do que tenho reparado na minha cidade.

Agora que voltei a passar a maior parte do meu tempo por aqui, tenho que confessar que estou impressionado com o estado de abandono no qual está Cubatão.

Cansado de apenas reclamar, a partir de hoje vou usar meu blog para mostrar o desleixo e o estado lamentável de vias e locais públicos cubatenses.

Já aviso que encaminharei tudo o que aqui publicar para os setores “competentes” da Administração e para meus colegas de imprensa.  Sei que não vou causar uma revolução, mas pelo menos não me calarei e esperarei que nossos governantes façam algo por vontade própria.

Ah, um aviso: não há conotação política. Quem me conhece sabe que sou contestador por natureza, e meus textos algumas vezes refletem isso (confira alguns deles na seção matérias de meu portfólio).

Torço muito para que a nova prefeita não fique apenas no discurso da mudança e ponha fim à paralisia cubatense frente às outras cidades da Região. Este post é a minha contribuição para isso.

__________________________________________________________

Praça Getúlio Vargas – centro

121208_retratosdacidade-001-okO busto do ditad…, ops, presidente que dá seu nome à praça teve sua cabeça arrancada no ano passado. Na época, o secretário de Ação e Governo, Gilson Miguel, garantiu que a estátua estava sendo reformada e logo estaria de volta a seu local. Hoje, não há vestígio do busto ou de qualquer cuidado com o local.

O mato alto nos faz esquecer que ali havia um jardim muito bem cuidado quando da inauguração no novo paisagismo do local, em 2005. À época, empresas do Pólo Industrial exibiam com orgulho seus logotipos em estacas de madeira postas nos canteiros. Afinal, a responsabilidade pela manutenção do logradouro, que fica em frente à sede do Ciesp, era delas.

121208_retratosdacidade-005-okHoje, as placas não estão mais lá, nem os jardineiros que semanalmente aparavam as plantas e cuidavam da praça. Isso sem falar na falta de iluminação à noite, um perigo para os alunos do Instituto Libertas (mantido pelo PR, partido do Prefeito) que esperam nas redondezas pelo início das aulas.

Do outro lado da rua, a situação é pior. Uma placa da Prefeitura divulga o início das obras de reparo no local, que há alguns anos era bastante freqüentado por crianças, muitas estudantes da Escola de Educação Especial que ali está instalada.

121208_retratosdacidade-006-okAntes de falar do lamaçal que a praça virou, vale destacar algumas informações da placa. É dito ali que as obras começaram em setembro e tem a previsão de conclusão de nove meses. Pois bem, quase 90 dias já se passaram e apenas o calçamento de cerca de um terço do local foi concluído. Aparentemente, a obra já terminou, pois nenhum trabalho é feito na região há mais de uma semana.

Outro ponto que chama a atenção é o valor da obra. Mais de R$ 100 mil a serem gastos em uma área de pouco mais de 50 m². O que será feito no local é um mistério, que a placa não ajuda a esclarecer.

121208_retratosdacidade-009-ok

Enquanto isso, quem passa pelo local deve estar precavido. Botas e repelente são indispensáveis, pois há lama e poças de água em toda a extensão da praça, além dos mosquitos que infestam a região.

 

Paço Municipal – centro

O problema a seguir parece irrelevante para pessoas jovens e boas de saúde. Mas os idosos e portadores de necessidades especiais sabem o tamanho do problema.

121208_retratosdacidade-018-okO calçamento do Paço Municipal, onde está a Prefeitura e a Câmara, parece um queijo suíço. Muitos ladrilhos estão soltos, o que representa um grande perigo para quem tem dificuldade em caminhar. E olha que o local deveria ser o mais acessível da Cidade!

Aparentemente, tentou-se consertar o problema, mas a emenda ficou pior que o soneto. A areia colocada nos buracos e a posterior colocação de ladrilhos formaram pequenos “montes” no chão e deram o local uma aparência de algo remendado.

Isso sem falar na falta de um elevador para a população na sede do Poder Executivo e no que foi gasto para o high tech sistema que regula a entrada de pessoas na sede da Câmara Municipal.

Isso é apenas o começo. Logo mais, colocarei aqui a situação da Praça Portugal, um dos principais pontos do Centro da Cidade, e outros flagras, como uma ambulância despedaçada estacionada há meses em uma delegacia cubatense.


%d blogueiros gostam disto: